em

Sabe aquela vaga boa que você pergunta como fulano conseguiu? Então…

[ad_1]

Sabe aquela vaga boa que você pergunta como fulano conseguiu? Então…

[ad_2]

Via Reddit por EuPomboFonte

Esta postagem foi criada com nosso formulário de envio fácil e agradável. Crie sua postagem!


Descubra mais sobre Ulti Memes

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    34 Comentários

    1. Entendo e concordo 100% com o post. Já tive uns dois trabalhos que foram literalmente isso: contato.

      Mas quero deixar aqui a minha experiência de não ter contatos e dar certo com a intenção de que não desmotive as pessoas que estão procurando por vagas:

      – Estive atento ao mercado (migrei da área de SGI/Qualidade para BI em 2020/21);

      – Finalizo esse semestre a minha graduação em Ciência de Dados;

      – Sempre fiz alguns cursos básicos (Alura, Udemy…) na área;

      – Mantive sempre o meu LinkedIn atualizado.

      O resultado é que fui convidado para uma oportunidade em uma big four do ramo de consultoria. Um player global presente em +150 países e com +400k funcionários.

      Sei que é difícil, mas não deixem de acreditar. Mantenham seus LinkedIn’s atualizados, façam cursos, bootcamps, o que conseguirem. Não percam a fé!

    2. Eu não aguento mais procurar emprego na minha área.. eu moro em uma cidade pequena e é distante de onde tem emprego..

      não coloco mais que moro aqui porque nem me chamam pra entrevistas, esses tempos eu fiz uma e não passei, pedi feedback pra entender o porque e ninguem respondeu, era uma vaga boa, só me sinto inútil, burra e incompetente de não ter um emprego.

      Eu já não sei mais o que fazer, quero muito me mudar e sair daqui pra trabalhar em outra cidade, mas ainda não veio nenhuma oportunidade e cada dia que passa parece ser mais difícil disso acontecer..

      Sinto uma ansiedade e angústia terrível, eu só quero trabalhar e sair dessa cidade pequena que moro minha vida toda. Não tem nada aqui.

    3. Minta, minta sempre empresas n querem bons trabalhadores, patrões querem baba ovos pra inflar o ego fraco deles, não querem pessoas competentes esforçadas nem nd do tipo, querem babões das bolas dele, pode ver e perguntar quem é demitido sempre são pessoas que fazem de tudo pra manter de pé a empresa os pilares fazem trabalho por uma equipe toda, enquanto o baba ovo inútil que n sabe tirar uma xerox ganha mais que você n faz quase porra nenhuma só aponta dedo e manda vc fazer o trabalho dele por ele

    4. Uma das coisas que me fez abandonar o pacote de crenças neoliberais – o que incluo a meritocracia – mas não incluo econometria, que muito ao contrário de muitos acho neutra (salve Piketty), é que a dita cuja sequer é produto do capitalismo, pior ainda, uma investigação histórica revela que nunca funcionou como é idealizada. Na verdade o capitalismo basicamente herdou do jeito que estava e está perpetuando a mesma configuração. Resumindo esse meu processo: a origem é feudal, e uma forma ideológica de apologia ao status quo, se observar mais propriamente é a mesma desgraça da aristocracia, levemente alterada pós revolução burguesa, para refletir uma certa mobilidade social que o sistema capitalista apresentava. No fundo é mais uma forma leve de estamentos sociais (castas) e seu viés subjetivo cultural-econômico. O capitalismo por mérito compreende a defesa do estamento social da antiga aristocracia e uma nova burguesia, sem alterar em nada o resto, pois na maior parte de sua experiência, permitiu a antiga elite preservar capital e recursos, que como veremos, deu a ela a capacidade de permanecer no poder.

      Como resumo é um viés social, na sua forma mais leve, e uma ferramenta ideológica, artificialmente articulada, sempre no benefício do status quo, pois seu argumento final independente do modelo político ou econômico é para defender o estado das coisas. Há mito da meritocracia não só no sistema capitalista, mas é este que lidamos, mas também no comunismo (ex: nomencklatura). Como o capitalismo manteve a mesma estrutura da aristocracia feudal com a tradição hereditária, ele mantém uma dualidade capitalista-feudal na sua “mertitocracia”. O capitalismo per si não recompensa o mérito, não existe mérito maior no Neymar que um professor, o sistema de valor do capitalismo é a multiplicação de capital e, por consequência da sua dualidade feudal, ele permite a acumulação de capital integracional. O capitalismo exclusivamente recompensa quem multiplica mais capital não importa os méritos, e nisto é naturalmente alheio a percepções como mérito. Ninguém tem sucesso no capitalismo por merecer, apenas por multiplicar capital, é a única métrica, a única questão (exceto herdar capital). Nós impomos artificialmente limites a certos modos e certas pessoas, com leis e regulamentação, que restringem alguns modos de multiplicação de capital, mas essa é a única métrica de sucesso do capitalismo.

      Eu vou traçar aqui, apenas porque mencionei, que no modelo de experiências socialistas até hoje apresentaram o mesmo viés, mas ao invés de supervalorizar o capital econômico como no capitalismo, na URSS e outras experiências socialistas, o sistema de valor era supervalorizar o capital político. Capital político é algo menos desigual, e portanto, produziu resultados com menor assimetria de distribuição de riqueza, mas ainda gerava alguma, e enfim, a nomenklatura foi resultado disso, um estamento social onde a classe política exercia e acessava mais que a classe burocrata que, por sua vez, estava acima da classe do proletariado. O capital político no socialismo entretanto não acumula na velocidade de progressão geométrica do capital econômico no modelo capitalista, e com pouquíssimas exceções, não se herda capital político do mesmo jeito que se herda capital econômico. Apenas para ilustrar o ponto acima, apesar de haver nepotismo de Stalin com o filho, o capital político de sua família não foi transferido para geração seguinte.

    5. Tem situações e situações. Tem quem consegue emprego no contato na sacanagem mesmo por questões familiares ou de afeto, mas também tem o contato “do bem” que é quando alguém que conhece seu trabalho vai pra outra empresa e te convida porque sabe de suas qualidades. É importante citar isso porque tem muita gente que fica achando que ter contato é só questão de amizade, mas também existem conexões profissionais que abrem portas pra você justamente por você ter mostrado um bom trabalho em outros lugares.

    6. Meu tio na época dele em mil novecentos e sabe lá Deus quanto me disse que o primeiro emprego dele foi em uma fábrica ganhando uns 3k aos 16 anos sem ter feito faculdade.

      Ele disse que pra conseguir, ele estava em um bar e chegou uma Kombi perguntando quem queria emprego, quem quisesse era só entrar na Kombi, e lá levaram a galera pra fábrica… é loucura como era fácil conseguir emprego na época dele.

      Há varios casos assim na minha família

    7. Odeio, ODEIO ESSA MERDA! caralho! Não basta ser bom no que faz, tem que pagar de Maurícinho conversador para conseguir alguma coisa.

      Por que não simplesmente fazer meu trabalho e conversar apenas o básico? Não, claro que não! Tem que ficar de conversa fiada pro chefinho se sentir adorado, tem que ser palestrinha, tem que chegar de sapatênis e colete, tem que parar no Starbucks e abrir o notebook pra pagar de Mr. Officer.

      “Ain vamos marcar uma call para schedular aquela task”. VAI TOMAR NO CU!!